SABRE ODONTO

Você prefere continuar com medo de dentista?

Primeiro consultório Antimedo do Brasil. Conheça a SABRE Odonto e a Odontologia Diferente.

Em pleno século XXI é comum ouvir pessoas dizendo que têm medo de ir ao dentista. Os motivos são os mais variados: um trauma de infância, o pânico da broca, dor e falta de informação podem justificar o temor que algumas pessoas têm de encarar a cadeira do dentista. Pensando nesse público, o dentista e sócio da Sabre Odonto, Renato Cremonese, lança a sala antimedo, inédita no RS.

De acordo com a Sociedade Americana de Odontologia, três em cada 10 adultos apresentam algum grau de fobia ao visitar dentistas. Se para o paciente, sentar na cadeira do dentista provoca sintomas como suor excessivo, taquicardia e ansiedade, imagina como é para o profissional realizar o atendimento com o paciente nessas condições?

Há 14 anos no mercado, Renato atende pacientes com este perfil, por isso, ao inaugurar a nova clínica odontológica, em Gravataí, lançou essa sala. “Ela foi projetada para fugir do padrão cadeira do dentista. Investimos em equipamento de broca elétrico, que faz menos barulho, bola antiestresse para o paciente apertar durante o atendimento, assim como esteira massageadora e TV 42 polegadas para ele assistir a série preferida”, afirma o dentista. Ele garante que todos os 20 dentistas do consultório foram treinados para atender esses pacientes de uma forma mais humanizada. E o melhor: sem custo extra ao paciente.

Com investimento de R$ 1,5 milhão, a clínica oferece conforto e comodidade aos pacientes, que podem optar, por exemplo, em fazer o clareamento dental enquanto assistem filmes e séries. A clínica, com 17 salas, tem capacidade para realizar mil atendimentos ao mês. Ao todo, são 29 profissionais que oferecem serviços que vão desde limpeza dos dentes até a fabricação das lentes de contato, feitas no próprio consultório que tem o tamanho de três quadras de vôlei.

Já pensou em mudar seu sorriso pelo sorriso dos SEUS SONHOS?

Existem duas opções para você: facetas ou lentes de contato. E vamos solucionar suas dúvidas sobre esse tratamento que muitos famosos já aderiram e atualmente é febre. 

Atriz e cantora Miley Cyrus exibindo sorriso lindo

Milley Cyrus exibindo sorriso novo!

george clooney antes e depois

George Clooney antes e depois das Facetas

Então, vamos lá!

A dúvida princial é: qual a diferença entre as facetas e as lentes de contato?

As lentes de contato são peças cerâmicas muito finas, que tem entre 0,2 a 0,4 milímetros de espessura, ou seja, muito finas mesmo. Registrou aí? Menos de 1 mm!!! Elas são encaixadas sobre a frente de cada dente e este deve estar saudável, é claro.

No dente pode ser feito ou não um mínimo desgaste. Será indicado para você usar lentes de contato se tiver quase nenhuma ou nenhuma alteração na cor dos seus dentes. Se você tiver um espacinho entre os dentes que incomoda, que chamamos de diastema, também pode fazer lentes.

Ok, mas você deve estar se perguntando: E as facetas?

São quase a mesma coisa porque também são peças cerâmicas. Cerâmica? Faltou explicar, né? Sim. Na verdade o nome correto do material é DISSILICATO DE LITIO. Um material super moderno, muito resistente e estético. Este material é produzido por uma empresa européia muito séria e referência em qualidade no mundo todo: IVOCLAR VIVADENT de Liechtenstein. Ficou curioso? Não sabe que país é este? Clique aqui!

Retornando ao assunto, as facetas são um pouco mais espessas que as lentes e precisam de um desgaste um pouco maior nos dentes (em torno de 0,7 a 1 milímetro). Ainda muito pouco comparado às antigas jaquetas ou aos pivots. As facetas podem ser usadas em casos com alguma alteração na cor dos seus dentes e quando os dentes estão mais desalinhados.

Mas e se eu não gostar do meu tratamento?

Não se preocupe porque nós sabemos que quando o paciente vai passar por grandes mudanças estéticas,  pode surgir uma certa ansiedade ou dúvida sobre o resultado do tratamento e isso é super normal. Mas, nós temos a solução para isso também: O Mock-Up!

Tá, mas o que é o O Mock-Up?

É como uma maquiagem do sorriso! É um test-drive do quão lindo vai ficar seu sorriso logo no início do tratamento. Ele foi desenvolvido para dar ao paciente uma pré-visualização do resultado estético final do tratamento, sem que nenhum tipo de desgaste dentário seja realizado. É uma ferramenta muito importante para o paciente ter melhor comunicação, confiança no profissional e aceitação em relação aos benefícios estéticos associados ao tratamento proposto.

O Mock-Up é um material de alta qualidade, que tem um aspecto muito parecido com o dos dentes naturais. O paciente usa por um tempo antes de fazer o procedimento definitivo e já pode ir se adaptando ao novo sorriso com os amigos e família. 

Modelo com sorriso lindo de test drive de facetas

Vitória Portes exibindo sorriso novo no mock-up

A modelo e blogueira Vitória Portes fez o test-drive e amou o resultado do seu novo sorriso. Acesse o link e dê uma conferida no instagram: https://www.instagram.com/p/BUkImDbhrKO/?taken-by=renatocremonese&hl=pt-br.

Sei que você deve estar se perguntando se as facetas correm o risco de descolar ou fraturar, mas hoje em dia com o avanço e a qualidade dos materiais utilizados o risco é mínimo. É muito importante manter as visitas periódicas ao dentista para revisões, cuidado com a saúde oral e o mais importante, sempre apostar em uma higiene bucal adequada com escovas macias e uso do fio dental. Manter uma dieta com baixo consumo de açúcar, também é indicado para uma longevidade maior neste tipo de tratamento. 

Então, agora você já sabe como é fácil planejar um sorriso dos seus sonhos!

Texto escrito pela colega Dra Júlia Lenkukl. 

Coca-Cola Stevia: lobo em pele de cordeiro?

Há alguns dias atrás minha esposa me apresentou uma latinha verde de Coca-Cola no supermercado. Como um bom dentista curioso, fui direto no rótulo dos ingredientes e sem muita surpresa já fiquei decepcionado. Mas até aí não tava irritado o suficiente para escrever este post. No sábado seguinte à minha apresentação a tal latinha verde, estava correndo com meu irmão no Parcão em Porto Alegre quando vi um carrinho tipo aqueles de picolé sabe? Mas todo decorado com um ar “light”, saudável, “fitness” (Vovó, fitness é uma palavra em inglês associada a exercício fisco, academia, saúde). Aí deu raiva!!! Deu até vontade de fazer um vídeo tipo Porta dos Fundos, cheio de palavrão passando a real sem meias palavras, mas respirei fundo.   Depois que a raiva passou, dei uma boa pesquisada para não falar besteira e descobri coisas bem interessantes sobre nossa amiga Coca-Cola. 

Antes vou fazer uma breve pausa para lembrar como devemos ler uma lista de ingredientes em um rótulo. Muitos já sabem disso, mas alguns ainda podem não ter recebido esta informação tão importante. 

Em rótulos de alimentos, a ordem dos ingredientes respeita uma regra simples: maior quantidade. 

😳😳😳😳 não sabia disso? É uma exigência da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 


Capitou? Simples: o que vem antes tem maior quantidade. Nem precisava eu repetir, mas aí está. Isso posto, olha agora a lista de ingredientes da latinha verde. Não precisei nem fazer a foto (obrigado ClicRbs).


Voltamos agora ao dia em que conheci a latinha verde. Uma latinha com cor de Côco Verde 🌴 e campanhas publicitárias que induzem as pessoas a vê-la como algo saudável. Entendeu meu espanto:

Ingredientes: água gaseificada, AÇÚCAR…

O segundo item da lista e, portanto, segundo em maior quantidade no produto é o açúcar. 


Tá vendo a carinha de feliz desta modelo que segura a garrafinha da Coca-Cola verde? Tá vendo oombrinho magrinho dela? Tá vendo ela deitadinha na beira de uma praia? 

Publicidade assim deveria ser proibida, não concordam?

Não sou natureba. Pelo menos não me acho. Não sou anti Coca-Cola. Eventualmente, até consumo. Consumo açúcar, sim. Evito açúcar também. Tudo dentro do normal. 

Agora divulgar um produto criando essa imagem distorcida, não deveria ser permitido. Pelo menos não no mundo em que eu gostaria de viver. 

Vamos rapidamente aos fatos. 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), um adulto deveria ingerir no maximo 50 gramas por dia de açúcar. E a mesma OMS ainda salienta que reduzindo este valor para 25 gramas por dia, os benefícios para saúde são muito maiores. Lembre ainda que para crianças estes limites seriam ainda menores. 

Uma única latinha de Coca-Cola normal (a vermelhinha tradicional) tem 37 gramas de açúcar. E a latinha verde, 18 gramas. 

Traduzindo, se tomar a Coca-Cola tradicional, certamente ultrapassará o limite ideal para ingestão de açúcar em um dia.  Agora se tomar a verde, a quantia ainda será muito elevada. 

Além disso, a nova Coca-Cola Stevia (nome dado a ela por possuir um adoçante natural produzido a partir de uma planta de mesmo nome originária do Paraguai) possui 3 vezes mais sódio que a tradicional. 


No final, sabemos que a escolha é individual, mas não seria mais fácil se as informações fossem mais claras e precisas? Fique atento! Na dúvida, o bom e natural Côco gelado pode ser uma boa alternativa para curtir o verão sem exagerar no açúcar. 

Dr Renato Cremonese. CRO-RS 14521

O sonho de qualquer dentista!

Não vamos mentir! Escolhemos uma profissão bem complicada. Não que não existam outras até mais difíceis, mas de fato, Odontologia é uma carreira que exige bastante daqueles que resolvem se entregar de verdade e perseguir resultados diferenciados. 

Na área que resolvi atuar, pode ser  ainda mais complicado, pois na prótese dentária, o trabalho é realmente em equipe. Não importa o quanto o dentista esteja interessado em alcançar resultados harmônicos, belos e naturais. Se o seu braço direito, o TPD (Técnico em Prótese Dental), não estiver alinhado com este objetivo, o resultado certamente será frustrante. 

Ainda na faculdade, me encantei com a disciplina de prótese. Reabilitar um sorriso é algo muito gratificante. Devolver o conforto na mastigação também. Mas as primeiras experiências, não foram tão legais assim. O máximo esforço, não resultava diretamente em trabalhos à altura da minha expectativa. Em seguida, veio a frustração. 

Foi após a graduação, já atuando em ambiente privado, que pude escolher trabalhar com um laboratório de prótese de qualidade inquestionável. Tecnologia de ponta. Técnicos ceramistas com muita habilidade. Materiais de qualidade. Minha paixão pela prótese retornou! E desta vez com mais força. 

Contudo, sempre haviam aqueles casos em que um detalhe gerava enorme desapontamento. O “calcanhar de Aquiles” deste processo sempre foi a comunicação entre o laboratório e a clínica. Por mais que nos esforçássemos para evitar erros, com fotografias, vídeos, desenhos esquemáticos, não era raro um trabalho chegar do laboratório com algum detalhe a ser corrigido. Brincávamos aqui na SABRE que alguns casos vinham em caixinhas “Kinder Ovo”. 

E isso tudo sempre gerou um questionamento. Será que com um ceramista aqui, ao nosso lado, vendo o que vemos! Vendo o paciente, e não fotos e modelos de gesso… será que não faria diferença?  

Em conversas com outros colegas, as opiniões se dividiam. Alguns acreditavam que um laboratório próprio dentro da clínica seria sim um grande avanço e traria mais qualidade para os trabalhos. Outros, defendiam que o investimento e o trabalho não se justificavam.  Quando cursei meu MBA, ouvi numa disciplina que as empresas deveriam sim terceirizar o maior número de funções possíveis. Mas a terceirização do foco de seu negócio, não era recomendada. Ao contrário, era desaconselhada. Por que então os dentistas aceitam terceirizar a produção dos “dentes”?

Para mim, ficou claro que o caminho da criação do laboratório SABRE era apenas questão de tempo. Após um bom planejamento, investimos em uma tecnologia fantástica para produção de próteses de dissilicato  de lítio (E.Max Ivoclar), a porcelana mais parecida com o esmalte dentário que existe. Em seguida, desenvolvemos  uma parceria com outro laboratório para troca de conhecimentos e execução de uma etapa preliminar do processo. E, claro, contratamos nossa grande ceramista/artista -TPD Debora Zenker. Desde abril, já foram mais de 200 dentes reabilitados com cerâmica própria. Das mãos da grande Débora. De dentro da SABRE. Sem idas e vindas para fora. Tudo muito mais rápido! E o principal: sem caixinhas “Kinder Ovo”. 

Sem dúvida, temos um resultado fantástico para celebrar, mas o sonho que mencionei lá no título era algo maior. Lembram do detalhe, do errinho que gerava uma grande frustração por ter que mandar o trabalho de volta para o laboratório? Isso acabou aqui na SABRE. Essa semana, tive o grande prazer de dizer para minha paciente: “Senhora Rozane (ou melhor, tia Rozane) nosso trabalho ficou muito bom! Porém, se a senhora puder aguardar 20min na recepção, ele ficará ainda melhor. Pode ser?”

TPD Débora Zenker – ceramista SABRE ODONTO

Que momento!!! Débora ao meu lado, acompanhando a prova final da cerâmica, vendo o mesmo que eu, em 20 minutos resolveu aquele pequeno detalhe que antes gerava um grande transtorno. Nada de recimentar provisórios e pedir para a paciente retornar em 7 dias.  

Sonho realizado! Obrigado, Débora!  Aproveite seu novo sorriso,  tia Rozane. 


Dr. Renato Cremonese -sócio diretor da SABRE ODONTO.  

Telefone sem fio

Quem já brincou de telefone sem fio sabe que a mensagem que chega ao final sempre é modificada e até mesmo podemos entender o contrário do que queriam dizer inicialmente. Essa brincadeira tem tudo a ver com o que pode acontecer com informações disseminadas atualmente pelos meios de comunicação. Vivemos na era da internet em que a todo o momento chegam informações distorcidas e com autor desconhecido.

No início do mês, tivemos um exemplo em relação à suposta afirmação do Dr. Drauzio Varella, de que a radiografia odontológica e a mamografia poderiam ser a causa do aumento de câncer na glândula tireoide. Agora, já sabemos que foi um falso alerta, contudo queremos esclarecer esse assunto.

Realizar exames radiográficos de rotina pode fazer mal?

Pela baixa dose de radiação envolvida e pela reduzida frequência em que este procedimento se faz necessário, não. Os exames de Raio X Odontológico emitem doses ainda menores, quando comparados aos exames médicos. Segundo a literatura científica, aparelhos radiográficos bem regulados, correta indicação e execução das técnicas radiográficas são os principais fatores na proteção do paciente. Atualmente, os aparelhos radiográficos são bem colimados, o que significa que restringem a incidência dos raios X na área de interesse, prevenindo a irradiação desnecessária. Para se ter uma ideia, a quantidade de radiação (solar e entre outras) recebida por uma pessoa ao longo de um dia normal é o dobro da quantidade recebida durante uma radiografia odontológica.

interDa mesma forma como nos portamos na brincadeira do telefone sem fio, devemos nos colocar frente às novas notícias: com curiosidade e desconfiança. Ao receber uma nova mensagem, precisamos nos perguntar quem deu a largada e se realmente foi aquilo que ele quis dizer. Em outras palavras, é necessário pesquisar e conversar com pessoas e profissionais que tem conhecimento na área questionada.

Dra. Jaqueline Wermeier Rippel

Dra. Jaqueline Wermeier Rippel

O que fazer para a criança não ter medo de dentista?

Os pais ainda tem um receio grande de como será a primeira ida do filho ao dentista e, com isso, acabam muitas vezes fazendo coisas que podem prejudicar e criar o medo na criança.

        A dica mais importante é levar a criança ainda bebê (o ideal é que seja no primeiro ano de vida) e depois fazer as revisões com a frequência que o dentista indicar. Não deixe para levar seu filho apenas quando ele tiver dor ou algum outro problema.

Nada melhor do que consultas de prevenção para a criança ir se acostumando com o ambiente do consultório.

bruna2

Além disso, existem coisas que podem ser feitas em casa antes da primeira visita:

– Tornar a escovação um momento agradável ajuda muito. Contar uma história, cantar uma música ou inventar uma brincadeira para esse momento torna a higiene bucal uma rotina tranquila.

– Apresentar desenhos que mostrem o dentista como alguém legal e evitar os que mostrem o dentista como malvado.

– Pode deitar a criança na cama e pedir pra abrir a boca ou só olhar os dentes dela e falar coisas como:

 “A dentista vai olhar seus dentes que nem a mamãe/papai, mas ela tem um espelho muito legal no qual os dentes gostam de se olhar

“Sabe quantos dentes você tem? O dentista pode contar e nos dizer quantos são

A dentista tem uma cadeira que parece uma nave espacial que sobe e desce. Só super-heróis/princesas sentam nela

Vamos mostrar pra dentista como seus dentes são bonitos! Ela vai ficar feliz e vai deixar eles bem cheirosos e brilhantes“.

Se a criança tem alguma cárie: “Acho que tem um bichinho morando no teu dente. Ele até fez uma casinha. Temos que ir no dentista mostrar. Ele sabe fazer o bichinho sair e ainda vai deixar seus dentes branquinhos

NÃO DIGA:

“você tem que se comportar”

“Se não se comportar não vai ganhar tal coisa”

“A dentista não vai fazer nada, não precisa ter medo”

IMPORTANTENUNCA diga “Se não se comportar vai levar uma injeção”, caso ele ainda chore e não se comporte na consulta, pois um dia ele pode precisar ser anestesiado e isso só dificultará o procedimento.

Tudo isso evitará que a criança cresça com medo e se torne um adulto com odontofobia (como a Dra. Marina Rezende falará em seu texto).

Esqueça a possibilidade da criança ter medo ou não se comportar. Não dê essa opção a ela. Acredite que tudo vai ser incrível e passe isso para ela.

Uma outra dica muito IMPORTANTE é que a criança consulte um especialista ODONTOPEDIATRA, pois este profissional estuda técnicas de psicologia, além de usar termos lúdicos e ter paciência para apresentar tudo com calma e tirar as dúvidas dos pais e das crianças.

 TODA CRIANÇA MERECE UM ODONTOPEDIATRA! 

Dra. BRUNA RUFINO OTTO

Dra. Bruna Otto

O MEDO NA ODONTOLOGIA

A visita ao dentista pode ser mais um compromisso rotineiro para alguns, mas um verdadeiro pesadelo para outros. É comum os pacientes sentirem algum nível de ansiedade no consultório odontológico, mas quando é demasiada, pode interferir muito na vida da pessoa. Chamamos isso de odontofobia.

A odontofobia é mais comum do que parece, abrangendo aproximadamente 15% da população brasileira. Quem sofre dela acaba sendo negligente com sua saúde por evitar ao máximo ir ao dentista. Por fim, tem experiências sempre ruins, pois só vai quando realmente é necessário (normalmente quando está com dor), o que agrava ainda mais o quadro da fobia. Sua origem é multifatorial, sendo os principais fatores:

  • Ambiente amedrontador: luzes fortes, profissionais vestidos de branco, ruídos de outros pacientes e brocas, etc;
  • Experiências desagradáveis: pessoais ou transferidas pelos pais e amigos (especialmente durante a infância – para saber mais sobre como evitar traumas em seus filhos, leia o texto da Dra. Bruna Otto);
  • Tempo de espera prolongado antes das consultas, número grande de pessoas na sala de espera e longas sessões de tratamento.

Durante o tratamento o momento que causa o maior pico de ansiedade é o da anestesia.

Pessoas com fobia temem a falta de controle sobre a situação.

                 Preocupados com nossos pacientes, temos a missão de desmistificar a odontologia. Priorizamos o conforto e consequentemente a confiança deles. Tendo conhecimento da causa do medo, tomamos cuidados como:

  • Ter uma sala de espera com inúmeras opções de entretenimento (revistas, livros, tablets, brinquedos);
  • Possuir música ambiente e televisão com netflix no consultório para que o paciente escolha o que quer assistir durante a consulta. E caso a música ambiente não seja suficiente para amenizar os barulhos desagradáveis, oferecer ipod com músicas calmas;
  • Conversar com o paciente para esclarecer todas as dúvidas e tranquilizar sempre antes e durante o procedimento (nada é realizado sem consentimento e conforto);
  • Possuir na equipe excelentes odontopediatras para o tratamento que toda criança deve ter, evitando que estes sejam adultos com traumas;
  • Realizar a anestesia sempre com anestésico tópico para evitar o desconforto inicial.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) conceitua a saúde como “um estado de bem estar físico, mental e social e não apenas a ausência de enfermidades”. A insatisfação com o sorriso pode afetar o psicológico e a vida social do indivíduo. Portanto, nossa preocupação não é apenas com a saúde bucal, mas com a pessoa por inteiro.

texto-marina

O sorriso é o seu cartão de visita, é a sua porta para a alma!

Não nos dedicamos apenas para cuidar do seu sorriso, nos dedicamos por você!

Dra. Marina Rezende

Dra. Marina Rezende